‘HARRY POTTER A AS RELÍQUIAS DA MORTE’: RHYS IFANS SE JUNTA AO ELENCO DO FILME

terça-feira | 31 | março | 2009

Mais um ator acaba de se juntar ao elenco de Harry Potter e As Relíquias da Morte, sétimo filme do bruxinho criado por J.K. Rowling. Trata-se do irlandês Rhys Ifans, de filmes como Um Lugar Chamado Notting Hill, Hannibal – A Origem do Mal e Elizabeth – A Era de Ouro.

Ifans revelou sua participação durante uma entrevista a um programa de TV. Entretanto, o ator não informou qual personagem viverá.

O sétimo filme da série será dividido em duas partes. A primeira tem estreia prevista para 19 de novembro de 2010 e a segunda, para maio de 2011.

A direção está novamente a cargo de David Yates, mesmo diretor do quinto e sexto filmes do personagem. Harry Potter e o Enigma do Príncipe, o sexto filme, tem estreia marcada para 17 de julho.

Harry Potter é filho de dois bruxos poderosos, assassinados por Lorde Voldemort quando Harry ainda era bebê. O órfão Harry é criado por parentes não-bruxos, mas aos 11 anos descobre sua história e recebe o convite para estudar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Seu primeiro livro, Harry Potter e A Pedra Filosofal, foi publicado em 1997. Desde então, a série alcançou grande popularidade no mundo inteiro, ganhando adaptações para o cinema, videogames, bonecos, estatuetas e diversos outros itens. Graças a esse sucesso, sua criadora, J.K. Rowling, tornou-se a mulher mais rica da história da literatura.
>> HQ MANIACS – por Andréa Pereira

Anúncios

SELOS DE MONSTROS: SUSTOS NA CAIXA POSTAL

terça-feira | 31 | março | 2009

selos_monstrosa

O desenhista americano Adam McCauley acredita que monstros são uma preferência mundial – tanto de crianças quanto de adultos. Mas ainda mais quando vêm acompanhados de uma boa dose de ironia, como no caso de uma de suas mais recentes criações, a série de Monsters Stamps, que recebeu em fevereiro medalha de ouro na premiação anual concedida pela Sociedade Americana dos Ilustradores, e que vem encartada no livro The Monsterologist: A memoir in rhyme, com textos do escritor Bobbi Katz e ilustrações brincalhonas de McCauley, a ser lançado até setembro pela Sterling Publications.

Além dos poemas atribuídos a um personagem que estuda monstros e das ilustrações de McCauley, o livro traz encartado seu premiado trabalho, no qual cria selos de correios em que países e cidades comemoram suas criações mais aterrorizantes. Todas pinçadas ora do imaginário popular, ora da literatura ou do cinema.

– Quem não gosta de monstros, não é mesmo? Mas acho que eles podem até servir de reflexão sobre a vida – diz McCauley ao Jornal do Brasil, reparando que seu trabalho fala de selos postais numa época em que se resolve quase tudo por e-mail. – Quis, quando fiz as ilustrações, envolver detalhes de tempos idos mesmo. O trabalho tem até uma certa aura da era vitoriana (Inglaterra, século 19). Em agosto, a gente vai pôr um vídeo sobre o livro no YouTube para todos conhecerem o trabalho.

monsterologist_capa1Entre os monstros escolhidos por McCauley estão a andróide Maria, que aparece ilustrando o selo da cidade fictícia de Metropolis (do filme homônimo de Fritz Lang). Já na estampa dedicada à cidade de Salem, em Massachussets, aparece uma das famosas bruxas que, dizem, teriam dominado a cidade americana no século 17 – tematizadas na peça As bruxas de Salem, do dramaturgo Arthur Miller. Também há uma múmia representando o templo de Karnak, no Egito. Outro dos selos traz uma criatura monstruosa da Floresta Amazônica. Mas o artista diz que ainda não conhece os monstros brasileiros.

– Na verdade, eu me inspirei no filme O monstro da lagoa negra, do diretor Jack Arnold (1954). A personagem do filme aparece num lugar não especificado da Floresta Amazônica – conta.

A obsessão de McCauley por monstros é tão grande que boa parte do seu trabalho como ilustrador e desenhista de história em quadrinhos (exposto em seu site http://www.adammccauley.com) é dedicado às criaturas fantásticas, feitas com humor adulto ou infantil – como num dos livros que ajudou a conceber recentemente, Oh, no! No ghosts!, assinado com o escritor Richard Michelson, que traz um poema ilustrado que mostra duas crianças assustadas com as sombras de seu quarto de noite. Ele ainda ilustrou livros de terror infantil como The Lima bean monster (com Dan Yaccarino) e Halloween night (com Charles Gigna), além de ter assinado sozinho My friend chicken, que fala sobre uma menina que tem em seu único amigo uma grande galinha rosa.

Com 20 anos de carreira como ilustrador, acumula também trabalhos para a Apple (chegou a desenhar um site para a empresa), para a MTV e para a revista National Geographic, além de capas de CDs.

– Na verdade, muitas vezes, eu costumo achar graça no lado ridículo da civilização. É isso que me inspira na hora de criar monstros, ou até de imaginar o que os seres humanos podem fazer com o mundo – diz ele, que também é autor de uma série inspirada no gélido Darth Vader, de Guerra nas estrelas, com caricaturas-trocadilho com o cantor country Garth Brooks e o personagem Bart Simpson, que disponibilizou em seu site. – Minha ideia foi criar um riff, uma coisa leve e engraçada, em cima do personagem. Não tive problemas com os direitos autorais do Darth Vader porque as leis americanas de copyright têm uma cláusula que permite sátiras. Isso não é ilegal por aqui.
>> JORNAL DO BRASIL – por Ricardo Schott


‘THE VAMPIRE DIARES’ RECEBE ATOR DE LOST

terça-feira | 31 | março | 2009

Ian Somerhalder, ator que viveu o personagem Boone em Lost, entrou para o elenco de outra série, The Vampire Diaries.

Ele viverá Damon, descrito pela Variety como “um vampiro afetado que pode mudar de amigável para maligno em menos de um segundo”.

Também entraram para o elenco Zach Roerig (de Friday Night Lights) e Kayla Ewell (de Entourage). Anteriormente já haviam sido confirmados Nina Dobrev e Steven R. McQueen, neto do grande Steve McQueen.

A série de livros The Vampire Diaries, escrita por LJane Smith e muito popular nos EUA, conta a história da colegial Elena Gilbert, cuja paixão pelo vampiro Stefan Salvatore causa seu envolvimento em uma batalha entre dois vampiros com séculos de idade.

O piloto de série do canal CW foi escrito por Kevin Williamson (da série de filmes Pânico) e Julie Plec (do seriado Kyle XY).
>> HQ MANIACS – por Leonardo Vicente Di Sessa


AS NOVAS AVENTURAS DE MAURÍCIO DE SOUSA

terça-feira | 31 | março | 2009

Na liderança do mercado de quadrinhos brasileiros desde os anos 70, Mauricio de Sousa agradece, até hoje, o período em que, na década de 60, atuou como repórter policial. Graças a isso, diz, virou mais um escritor de quadrinhos do que um desenhistas de HQs. É com essa disposição que ele encara o universo do desenho animado com o humor da Turma da Mônica Jovem – versão teen de seu clássico e atual menina dos olhos da Mauricio de Sousa Produções, com vendagens estimadas entre 300 e 500 mil exemplares mensais – e da Turma do Penadinho.

Este deve ir ao ar em episódios de 11 minutos ainda este ano, pela TV Cultura, com quem já vem conversando. Até agora já há 13 episódios da turma do cemitério feitos em parceria com a empresa Digital 21 – entre eles E o Capitão Pitoco bateu as botas, Natureza morta, Uau! É a Dona Morte com um novo visual e O horroroso Fredi Cruga.

– Imagina se eu fosse prolixo na hora de fazer um balão, e escrevesse umas cinco, seis linhas de diálogo? Não ia dar certo, né? Hoje estou transportando todo esse aprendizado dos quadrinhos para os desenhos animados – diz Mauricio.

Apesar do sucesso com desenhos animados – filmes como A princesa e o robô (1983) e Uma aventura no tempo (2008) bateram recordes de bilheterias – é a primeira vez que Mauricio investe num projeto deste tipo.

– Está em nossos planos criar um desenho do Astronauta, que vai ser em 4D. Não apresentamos esse projeto para a TV Cultura ainda, mas ela é uma boa plataforma, até para colocarmos as redes educativas no jogo do Ibope. Além disso, o Horácio vai ganhar um longa-metragem ainda este ano, a ser exibido nos cinemas – conta o desenhista. – O mais difícil num lançamento desses, que é bolar a estrutura dos personagens e do cenário, já está feito na Turma do Penadinho. Agora é só escolher quem vai fazer as vozes e bolar novas histórias. As trilhas sonoras também sairão de nossos estúdios. Para a Turma da Mônica Jovem, faremos com antecedência de seis meses de revistas, pois nos inspiraremos nos textos já feitos.

Predileção por Horácio
A escolha de personagens como Penadinho e Horácio não é ao acaso. A turma do cemitério já deu as caras em projetos especiais. E Horácio é um de seus personagens preferidos – o próprio Mauricio se encarrega dos textos.

– Toda criança adora histórias de monstrinhos e dinossauros – atesta. – Isso nunca deixa de fazer sucesso. E são personagens que se encaixam nesse perfil. O licenciamento dos personagens, além da exibição do nosso acervo em alguns países do mundo, são o que me permite criar mão de obra e investir nos filmes sem depender de verbas governamentais. Ou mesmo de investidores que me exigiriam uma desnacionalização de tudo. Mesmo com a situação econômica ruim na década de 90, continuei produzindo graças a isso. E hoje ainda posso esperar melhores resultados de pouco em pouco.

Levar a Turma da Mônica Jovem, que insere novas linguagens de comportamento nas antigas aventuras da galera da menina dentuça, para a televisão, requer um pouco mais de trabalho. Logo nos primeiros números, a revista inovou ao trazer, pela primeira vez, um beijo entre Mônica e Cebolinha, já adolescentes. Ainda que os personagens, crianças, tivessem até seus namoricos, é a primeira vez que as relações entre adolescentes estão tematizadas em revistas do autor. Um desafio com o qual a equipe de Mauricio, habituada ao universo infantil, se depara diariamente

A Turma Jovem tem muito público infantil. Chegamos a nos perguntar se o êxito da revista não canibalizaria nossas publicações infantis, inclusive. Mas depois vimos que não aconteceria – constata Mauricio. – Dá um trabalho danado porque pela primeira vez a gente tem que tratar de assuntos como primeiro beijo, namoros, ciúmes. Mas procuramos introduzir nisso muita ação e um terrorzinho, de leve.

monicaApós um longo período sendo editado por empresas como Abril (responsável pelo primeiro gibi da Mônica, em 1970, e pelos debutes de personagens como Cebolinha e Cascão) e Globo, Mauricio iniciou uma parceria de sua empresa com a editora Panini, especializada em HQs. Para a Bienal do Livro, o autor lança vários produtos por editoras diferentes. Pela Editora Globo, por exemplo, prossegue a coleção Contos de Mauricio de Sousa, iniciada em 2006, que tem livros com texto, sem quadrinhos, e é ilustrada por desenhistas convidados, de fora da MSP. Os dois volumes já planejados são Vendo sem enxergar, com desenhos de Anderson Pimentel Luiz, e Falando com os bichos, ilustrado por Thalita Dol.

– São experiências. O desenhista pode inclusive colocar seu próprio estilo. Quero formar uma equipe de parceiros de fora, que inclusive tenham participação nas vendagens – idealiza Mauricio, sem tirar os olhos de um de seus produtos mais rentáveis. – Agora estamos estudando o lançamento da Turma da Mônica Jovem na China. É uma possibilidade.
>> JORNAL DO BRASIL- por Ricardo Schott


OFICINAS DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS EM SAMPA

terça-feira | 31 | março | 2009

FANZINES NAS ZONAS DE SAMPA 2009

As oficinas de Histórias em Quadrinhosfazem parte do projeto “FanZines nas Zonas de Sampa”, que em seu terceiro ano retoma suas atividades em várias bibliotecas. Terá início em abril e vai até julho.

A idéia é ensinar técnicas básicas das HQs, orientar os iniciantes a elaborarem suas próprias histórias e em conjunto produzirem um fanzine. Para o público em geral.

Biblioteca José Paulo Paes
Com Alexandre Nagado
As 5ª feiras – de 16 de abril a 16 de julho, das 13h30 às 16h30

Biblioteca Paulo Setúbal
Com Edson Policer
As 3ª feiras – dias 14 e 28 de abril, das 13h30 às 16h30 

Biblioteca Viriato Corrêa
Com Edu Mendes
As 4ª feiras – dias 15, 22 e 29 de abril, das 14h às 17h

Biblioteca Roberto Santos
Com Edu Mendes
As 2ª feiras – dias 13, 20 e 27 de abril, das 14h às 17hBiblioteca Lenyra Fraccaroli
Com Ezê
As 4ª feiras – de 14 de abril a 14 de julho, das 13h30 às 16h30

Biblioteca Belmonte
Com Ezê
Nesta biblioteca, as oficinas serão oferecidas em período maior, possibilitando o ingresso de novas turmas ao longo do ano, sempre para iniciantes.
Aos sábados – de 18 de abril a 28 de novembro, das 9h às 12h

Biblioteca Sylvia Orthof
Com Jozz
As 5ª feiras – de 16 de abril a 16 de julho, das 13h30 às 16h30

Biblioteca Gilberto Freyre
Com Jozz
As 3ª feiras – de 14 de abril a 14 de julho, das 9h às 12h

Biblioteca Érico Veríssimo
Com Rodrigo Bueno
As 6ª feiras – de 3 de abril a 10 de julho, das 13h30 às 16h30

Biblioteca Rubens Borba de Morais
Com Weberson Santiago
As 5ª feiras – de 9 de abril a 16 de julho, das 9h às 12h

CURSO AVANÇADO DE HQ
        
Biblioteca Paulo Duarte
Com Edu Mendes, Sam Hart e Nobu (Nobuyoshi Chinen).
Serão abordados e aprofundados temas como: Introdução e teoria, processos narrativos, roteiro, personagens, desenho a lápis, história e mercado, diagramação e arte-final  e montagem de Fanzine. Para interessados que tenham conhecimento básico das técnicas.
As  4ª feiras – de 15 de abril a 13 de julho das 9h às 12h  

IV ENCONTRO FANZINES

Biblioteca Paulo Duarte
IV Encontro Fanzines nas Zonas de Sampa
Como todo ano, promovemos um encontro entre todos os participantes, para que se conheçam e troquem experiências. Os trabalhos ficarão expostos e os fanzines produzidos serão entregues aos autores.
Dia 25 de julho a partir das 13h

Coordenadora do projeto: Doroty Rojas (Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas) – setor de Programas e Projetos – Tel.: (11) 3675-6727.

 


TARDI: DE VOLTA ÀS TRINCHEIRAS

segunda-feira | 30 | março | 2009

Putain de Guerre! 1914-1915-1916, de Jacques Tardi

O desenhista francês Jacques Tardi está de volta com um álbum abordando uma de suas obsessões e que já foi tema de diversas HQs: a Primeira Guerra Mundial. Em Putain de Guerre! 1914-1915-1916, que poderia ser traduzido para Guerra Maldita!, ele utiliza o texto do escritor Jean-Pierre Verney, para nos fazer sentir todo o horror e absurdo do conflito.

A história em quadrinhos, colorida, está dividida em três capítulos, dedicados a cada um dos três primeiros anos da guerra. Chamar a atenção para ela ser colorida é necessário, pois as cores desempenham um papel importante, conforme a luta fica pior e mais sangrenta ao passar dos anos.

No começo, quase como indo a um passeio no campo, os soldados franceses portando um uniforme nada discreto, com casaco azul e calças vermelhas, partem marchando rumo ao front. Depois de meses de batalha, as cores vão sumindo, os campos verdes se transformam em trincheiras e buracos lamacentos ou cheios de neve, o céu azul cede lugar ao cinza esfumaçado e os uniformes espalhafatosos são finalmente substituídos por um novo, cinza azulado, mais de acordo com a paleta de cores da guerra. Ao fim do terceiro ano, apenas um pouco de vermelho, do sangue ou das explosões, consegue quebrar a monotonia do cinza agora dominante.

Conforme o tempo passa, o soldado, que é o narrador e do qual vamos lendo o que passa por sua cabeça, pois não há diálogos, vai vendo o conflito se aprofundar, embora as autoridades prenunciem para breve o final da guerra. Ele também vai observando a evolução da tecnologia da morte: tanques de guerra, aviões de combate, lançachamas, canhões gigantescos.

Com um texto irônico, Verney nos mostra essa guerra que tirou o mundo da era da inocência e introduziu o implacável Século XX em nossas vidas. O autor é um especialista em Primeira Guerra, já tendo escrito muitos livros sobre o tema e trabalhado como consultor de diversos filmes, como Eterno Amor (Un Long Dimanche de Fiançailles), de Jean-Pierre Jeunet e Capitão Conan, de Bertrand Tavernier.

É também de Verney um texto de vinte páginas ao final do livro, com muitas fotos e informações sobre a guerra, e onde também podemos reconhecer as imagens que serviram de referência para os desenhos de Tardi.

Em diversas partes da história, como que em um espelho, Tardi contrapõe as imagens das páginas esquerda e direita: quando compara as tropas francesas e alemãs marchando e embarcando para a batalha, quando mostra as duas tropas oponentes em posição de ataque, quando desenha as trincheiras no inverno, com os canhões bombardeando e enviando aos céus pedaços de soldados. E aí entra o texto de Verney, na mente do soldado preso naquele inferno: “Era ali, no meio daquela fogueira, que eu queria ver todos os grandes espertalhões: o Presidente, o Kaiser, os ministros, os padres, todos os generais, e minha mãe por ter me colocado no mundo!”.

Este livro, a exemplo de Le Secret de L’Étrangleur, de 2006, também foi pré-publicado no formato tablóide como um folhetim em três partes. Uma ideia que deu muito certo, pois permite ao autor ir publicando seu trabalho em partes, sem ser necessário esperar ter a obra toda terminada e aos leitores irem acompanhando o desenvolvimento da mesma. Quem quer economizar pode ter a HQ pela metade do preço do livro e quem é fã vai querer ter as duas versões. Enfim, acabou agradando o artista, o editor e os leitores.

Na última página, dividida em três quadrinhos horizontais como quase todo o livro, Tardi mostra três momentos da guerra: uma fábrica com pilhas de obuses prontos para ir para o front, montanhas de cartuchos já vazios no campo de batalha e, como resultado, um campo todo esburacado com o texto: “E a guerra continuava…”.

O próximo tablóide, que traz a guerra no ano de 1917, será publicado em breve na França.
>> TERRA MAGAZINE – por Claudio Martini


‘HOW TO TRAIN YOUR DRAGON’: IMAGEM DA NOVA ANIMAÇÃO DA DREAMWORKS

segunda-feira | 30 | março | 2009
how-to-train-your-dragon
 

A DreamWorks liberou a primeira imagem promocional de sua nova animação, How To Train Your Dragon.

How To Train Your Dragon é baseado no livro de Cressida Cowel e conta a história de um adolescente magricela que vive na ilha de Berk, onde lutar contra dragões é um estilo de vida. O período de iniciação está para começar e agora é a hora desse garoto mostrar para sua tribo e para o seu pai que ele será um homem de valor. As coisas mudam de figura quando ele se encontra e torna-se amigo de um dragão machucado.

A direção é de Chris Sanders e Dean DeBlois. No elenco de vozes estão Gerard Butler, America Ferrara, Jonah Hill, Christopher Mintz-Plasse, Craig Ferguson, Kristen Wiig e T.J. Mille. O filme tem estreia prevista para o dia 26 de março de 2010 nos EUA.
>> HQ MANIACS – por Leandro Damasceno