‘CHANGEMAN’, ‘FLASHMAN’, ‘JASPION’, ‘JIRAYA’, ‘CYBERCOPS’: SÉRIES JAPONESAS QUE MARCARAM NOSSA INFÂNCIA

Séries Japonesas

Antes de começar a falar do real assunto deste post é importante entender com foi o seu processo de criação. O objetivo inicial era tentar buscar em minha memória os seriados que marcaram minha infância. Assim, eu conseguiria listar as que teriam ajudado a  influenciar o meu gosto por séries hoje em dia.

Neste exercício eu viajei. Passei por Blossom, Fresh Prince of Bel-Air e Full House, e até a levada da Breca, Punky, todos que eu vi no SBT. Lembrei dos Simpsons, The Adventures of Lois & Clark, Família Dinossauro e tantas outras que vi na Rede Globo. Retrocedendo ainda mais no tempo pensei no McGyver e sua Profissão Perigo, no Barrados no Baile e até nas Tartarugas Ninjas. Mas ainda estava convencido de que se tentasse, eu conseguiria voltar mais ainda no tempo.

Foi quando veio o estalo de que não estava olhando para a emissora certa. Minha iniciação no mundo das séries não foi pela Globo, tampouco pelo SBT. Também olhava para a origem errada dos seriados. As séries que pela primeira vez me prenderam na frente da televisão não tinham sido produzidas nos EUA. O estilo então passava longe. Nem animação, nem humor, nem sitcom. Nada disso.

Foi neste ponto em que tive a visão clara do final dos anos 80, início dos anos 90. E lá estava eu sentado em frente da televisão assistindo a extinta TV Manchete. Cada um a seu tempo, os seriados japoneses que eram transmitidos na época me hipnotizavam a ponto de esquecer de tudo. Que bom que hoje a minha memória funcionou e eu conseguirei então listar pra vocês o Top 5 – Seriados Japoneses que Marcaram Nossa Infância. Espero que assim como eu viajei lembrando, vocês também viajem lendo este post.

1. Changeman
Dengeki Sentai Changeman, no Japão e Esquadrão Relâmpago Changeman, nome completo do seriado no Brasil. Foi exibido originalmente entre 2 de fevereiro de 1985 e 22 de janeiro de 1986 pela TV Asahi no Japão. Por aqui passou a ser exibido a partir de 1988 pela extinta Rede Manchete. Posteriormente ainda fez parte das programações da Rede Record e da Gazeta.

A história da série era a de cinco integrantes do Exército dos Defensores da Terra. Eles foram banhados pela Força Terrestre e adquiriram cada um os poderes de um animal lendário: Dragão, Grifo, Pégaso, Sereia e Fênix. Com um vasto arsenal e o poderoso Change-Robô eles lutavam contra os alienígenas de Gôzma, um império galáctico cuja sede ficava no planeta de mesmo nome, e que conquistara e anexara um número sem-fim de mundos. Gôzma era liderado pelo malvado Senhor Bazoo e sua horda de ajudantes, que queriam a qualquer custo dominar o planeta Terra.

Foram 55 episódios ao total. Tenho certeza que todos ficaram na memória de quem os assistiu. Mas para aqueles que não assistiram ou que querem lembrar um pouco, no último mês de junho foi lançado no Brasil o DVD com a série completa. No site da Livraria Cultura ele está disponível pela bagatela de R$ 110,00. Parece caro, mas para o fã de verdade não é.

2. Flashman
Choushinsei Furasshuman no Japão ou Comando Estelar Flashman no Brasil. Sua exibição foi de 1º de março de 1986 a 21 de fevereiro de 1987 no seu país de origem. Aqui só tivemos a chance de assisti-la a partir de 1989 também pela Rede Manchete. A série tem ao todo 50 episódios e ainda ganhou 2 filmes.

O enredo fala sobre cinco crianças que foram levadas da Terra para o meio do Universo raptados por caçadores espaciais. Eles acabaram sendo salvos pelo povo do Planeta Flash. Lá, durante vinte anos os jovens viveram e treinaram. Ao voltar para a Terra, souberam que o cruzador Imperial Mess, liderado pelo Monarca La Deus e o cientista Doutor Keflen, estava prestes a invadir o planeta. A série foi a primeira neste estilo a apresentar dois robôs. Eram o Poderoso Flash King e o Poderoso Titan Junior.

Lembro-me como se fosse hoje da abertura, que por curiosidade, de todas as séries deste estilo é a única da época a ter créditos e narração em português. Se ficou com água na boca, pode se tranquilizar. Olha aí embaixo:

3. Jaspion
Kyojū Tokusō Jaspion, na Terra do Sol Nascente e O Fantástico Jaspion pelas nossas bandas.  Era do estilo que os aficionados chamam de Metal Heroes, ou Heróis de Metal em bom português.  Foi exibida pela TV Asahi entre 15 de março de 1985 e 24 de março de 1986 no Japão. No Brasil, foi televisionada pela Rede Manchete a partir de 1988. Era estrelada por Hikaru Kurosaki.

Foi a série que junto com Changeman popularizou o estilo na época aqui no Brasil. Toda criança queria uma fantasia ou brinquedo (bonecos, jogos de tabuleiro, revistas, álbum de figurinhas, chicletes, VHS´s, LP´s, cadernos entre muitos outros) ligados ao seriado naquela época. No que muitos considerariam uma astuta jogada de “marketing”, a TV Manchete exibia Jaspion aproximadamente às 18h30 – justamente o horário em que as crianças saíam das escolas, uma garantia de audiência. O sucesso foi tão monstruoso que até um Circo Show foi criado com essas duas séries, com as roupas originais e atores e dublês brasileiros.

A saga de Jaspion se inicia quando o sábio Edin encontra um garoto entre os destroços de uma nave na qual seus pais morreram juntos por causa de um acidente. Edin cria Jaspion por vários anos sabendo que este seria o guerreiro celestial encarregado de destruir o mal criado por Satan Goss. Jaspion, já na adolescência, compreende o seu destino e aceita de Edin as armas e a andróide Anri que seu mentor construiu para esse confronto contra Satan Goss. Ele seria encarregado de encontrar os pedaços da Bíblia Galáctica (que havia se espalhado pelo Universo após o Planeta ancestral de Edin ter sido destruído por um cometa) e destruir o império de Satan Goss.

4. Jiraya
Sekai Ninja Sen Jiraiya, ou simplesmente Ninja Jiraya, são os nomes  no Japão e no Brasil. Também com 50 capítulos, a série foi produzida pela Toei Company e exibido no Japão pela TV Asahi entre 24 de agosto de 1988 a 22 de janeiro de 1989. Estreou no Brasil no programa Cometa da Alegria na Rede Manchete, no dia 25 de setembro de 1989.

A tradução literal do título original japonês é algo como “Jiraiya e A Guerra do Mundo dos Ninjas“  em referência às constantes batalhas entre os ninjas de diversas localidades do mundo pela posse da misteriosa cápsula chamada “Pako, o Tesouro Espacial“. O nome original da família do herói é Yamaji.

Junto com o tesouro vieram dois viajantes estelares, um se chamava Jiraya, que tinha a missão de proteger o tesouro, e o outro era Hoshinin Dell-Star que veio para roubá-lo. A luta entre os dois acontece e Dell-Star é aprisionado em uma caverna subterrânea. Jiraya ficou na Terra e casou-se com uma humana, onde começou a geração da família Togakuri que por gerações e gerações guardariam e protegeriam o mapa com paradeiro do tesouro escondido na Terra.


5. Cybercops
Dennō Keisatsu Saibākoppu, pros japoneses e Cybercops, os Policiais do Futuro para os brasileiros. Foi trazida ao Brasil pela Sato Company e exibida pela extinta Rede Manchete a partir de 1990. A série foi produzida pelos estúdios Toho, sendo exibida originalmente no Japão pela NTV entre 1988 e 1989.

A sinopse fala que num futuro próximo,  que no caso é para nós já passado 1999, o esquadrão especial da polícia de Tóquio cria o Cybercop. Nada mais era do que o projeto de um grupo de policiais de elite com armaduras tecnológicas. Os Cybercops passaram a combater a organização criminosa Destrap. Esta liderada pelo computador Fuhrer, uma criação do Barão Kageyama, verdadeiro líder do grupo.

O time principal do esquadrão era formado pela jovem Tomoko, e os policiais Akira, Takeda, Ryoiti e Osamu. Cada um dos quarto rapazes veste uma armadura (Unidade Cyber) com nome de um planeta e cores diferentes. Akira é Marte, líder da equipe e rival de Takeda. Takeda é o heróico Júpiter, que veio do futuro sem memória, e foi encontrado junto de sua armadura pela Interpol. O mulherengo Ryoiti é Saturno e por fim, o sério Osamu é Mercúrio. Tomoko deveria vestir uma Unidade Cyber chamada de Vênus, mas por problemas de custo, tal armadura nunca foi produzida.
>> NA TEVE – por Leonardo Rocha

Anúncios

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: