OS QUATRO FANTÁSTICOS: STEPHEN KING X ANDRÉ VIANCO X RICHARD MATHESON x NEIL GAIMAN

cavernas-e-dragoes

No Workshop que realizei ano passado, convidado pelo pessoal do Cinefantasy, comentei sobre a diferença de estilo desses três autores, aproveitando um gancho do próprio King, que citarei a seguir.

Antes, sobre os autores, caso algum deles seja desconhecido para você, brevíssima apresentação:

André Vianco: atualmente o autor mais vendido de fantasia nacional. Vianco costuma cair para o lado de terror com aventura, principalmente envolvendo o tema de vampiros com poderes dignos de um vilão Marvel. Se fosse resumir, bem… imagine a equipe Alfa de Resident Evil caçando os vampiros de Underworld em Osasco. Isso é André Vianco.

Richard Matheson: talvez você não saiba quem ele é pelo nome, mas já conheceu algo saído de sua mente. Matheson é o autor de duas das maiores histórias de amor fantásticas – “Amor Além da Vida” e “Em Algum Lugar do Passado”, escreveu os melhores episódios da série “Além da Imaginação” e foi o responsável por Will Smith conhecer Alice Braga através da adaptação de seu romance: “Eu Sou a Lenda…”. Ou seja, só por isso já deveria ser o autor preferido do Will Smith…

neilgaiman_1Neil Gaiman: o escritor que congestionou a FLIP de 2008, e, por motivos de Destino (um de seus personagens…), não pude lá estar. Gaiman é considerado um rockstar da literatura contemporânea e é o único escritor do mundo que não apenas é igualzinho ao seu personagem mais conhecido, como é impossível de se dizer qual dos dois influenciou primeiro o visual do outro.

Stephen King: hum… sério mesmo? Rapaz, se você não sabe quem é este cara, por favor, corte os pulsos. E não importa o que você sinta; seja lá o que for, ele já descreveu algo parecido em algum de seus romances.

A par disso, seguimos.

Stephen-King_webUma vez Stephen King comparou seu estilo com uma situação inusitada: imagine um sujeito sentado em uma cadeira diante de uma porta fechada, sem a menor idéia do que há do outro lado.

A porta, no caso, é a trama do livro. A pessoa sentada é você na posição de leitor.

No estilo de King, segundo ele próprio, a porta demora para abrir. Você sabe que existe um monstro do outro lado, mas ele – de propósito – lhe mantém ali sentado, apenas escutando o que há do outro lado, e deixando sua imaginação construir as piores opções.

Você escuta o som da respiração do bicho; você se arrepia com a raspagem das unhas na madeira; você se contorce com o rosnar. De vez em quando você PULA da cadeira quando o monstro soca a porta do outro lado, doido para sair dali… e pegar você. Mas o detalhe é que você não vê direito o maldito monstro, ou ao menos não o sente próximo o suficiente de poder tocar em você. Ainda.

E conforme o clímax da história se aproxima, mais a a impaciência, inquietação e excitação aumentam. E então, quando todos esses sentimentos dentro de você estão no ápice, ele simplesmente joga todas as cartas que tem.

Ele abre a porta. E o monstro pula BERRANDO na sua cara!

Claro que, como ele próprio admite, isso é perigoso, porque pode gerar dois tipos de reação. Uma: você cair para trás e dar graças a Deus (hum…) por ser apenas um livro. E se a reação for essa, King irá sorrir de orelha a orelha.

Mas pode ser que a sua reação seja: “Ah, era isso?”. Ou até uma reação ainda pior: “Ah, o monstro era um gafanhoto de três metros? Poxa, se fosse um gafanhoto de onze metros aí sim seria assustador…”.

E aí, amigo, não há escritor que esconda a frustração.

Logo, se um de vocês quiser tentar algo do tipo, há de se ter imenso controle narrativo e saber o que está fazendo, ou ao menos parecer saber o que está fazendo, para que a reação seja a esperada. Não sei como seria com você no comando de algo do tipo.

Sei que Stephen King consegue…

andrvianco1Aproveitando essa mesma situação criada pelo autor, no workshop resolvi demonstrar qual seria a diferença para os estilos distintos dos outros autores fantásticos citados, completamente diferentes do estilo citado.

No estilo de Vianco, a situação já seria a seguinte:

Imagine que você como leitor se sente na mesma cadeira e haja a mesma porta, em que você apenas sabe que há um monstro do outro lado. Com King, o monstro aparece no final. Com Vianco, ele simplesmente chega ao lado da porta, olha para você e pergunta:

– Tá preparado?

Se você disser que sim, ele simplesmente abre a porta e o monstro PULA na sua cara! E aí tudo começa…

Mais uma vez é um estilo que tem seus prós e contras. No caso, a reação desejada é a de: “Uau! O monstro é esse? Eu nunca teria imaginado isso…”, e se isso acontecer, você vai ler os tijolões de Vianco em (poucos) dias.

A reação negativa é a possibilidade do leitor olhar e dizer: “Ah, o monstro é esse? Ainda bem que você me mostrou logo no início pra eu não perder tempo…”, e largar o livro de lado sem a menor chance.

Logo, não à toa Vianco é um autor passional. Tem gente que o adora; tem gente que não. E esse é seu maior trunfo. A pior coisa para um escritor é ter leitores indiferentes.

richard-matheson-authorJá o estilo de Matheson consegue, mais uma vez, ser completamente diferente dos outros dois.

Matheson lhe senta na cadeira e, logo que você se ajeita percebe algo interessante: a porta já está aberta. E o monstro já está lá!

Só que o detalhe é que ele coloca a sua cadeira muito longe da porta. Longe o suficiente para o monstro ser só um borrão que também mexe com a sua imaginação, mas de uma maneira mais direcionada que o caos que Stephen King gera dentro de você.

Conforme a trama avança, Matheson vai aproximando a sua cadeira da porta aberta. Logo, na metade do livro você já consegue visualizar bem o monstro em questão, mas o que ele é já não é mais importante do por que ele é daquele jeito.

E você passa a querer continuar até o final para se aproximar naquele bicho, e compreender melhor as razões dele existir.

E por último, o estilo de Gaiman, que sempre foge completamente do tradicional.

Ler uma obra dele seria o seguinte: imagine que, mais uma vez, exista a cadeira e a porta. Contudo, assim como Matheson (não à toa um autor que lhe influenciou, repare nos detalhes dos exemplos), a porta já está aberta; só que a diferença é que não há nada lá. Ao menos, não ainda.

Você então senta e Gaiman lhe pede que tome um chá preparado com ervas desconhecidas.

Ele se senta ao seu lado, espera fazer efeito e é extremamente educado com você o tempo inteiro. As tais ervas utilizadas no chá não serão exatamente originais; aliás, se você pedir ele irá lhe contar todas as vezes e todas as diferente receitas com que ela foi utilizada ao longo da história da humanidade, e aos poucos você perceberá que, ainda assim, ele parece ter dado um toque próprio ao tempero, melhorando, ou ao menos atualizando, a receita original.

E então o chá começa a fazer efeito. E a í, meu amigo, a coisa começa pra valer.

Porque de repente a cadeira não vai mais parecer estar no chão; de repente o chão, que era de concreto, se torna vidro; de repente as suas mãos irão parecer distorcidas ou pequenas demais; de repente o seu pensamento começará a se tornar as imagens de um filme saídas de um projetor do meio da testa; de repente tudo poderá acontecer e, mais do que isso, poderá acontecer de duas pessoas visualizarem as mesmas partes de uma mesma experiência de maneiras e visões completamente diferentes.

E então o monstro que deveria estar naquela porta até pode ser que apareça. Mas é aquilo; se você tomou o chá que Gaiman lhe ofereceu, esse monstro nunca será bem definido.

Pode ser que você o odeie, é verdade; mas pode ser que você se identifique com ele; pode ser que você o compreenda; que dê razão ou sinta pena; que não compreenda nem mesmo porque é aquele o monstro, e não os outros personagens da história.

A complexidade por detrás das motivações (na maioria das vezes trágica, que são mesmo as melhores) daquele monstro podem fazer, inclusive, você se compreender melhor como ser humano. E terminar a história se perguntando se existia mesmo um monstro ali, ou se tudo fora fruto da sua visão alterada na ocasião.

E quando o efeito do chá passar, Gaiman ainda vai estar ali com seu jeito extremamente educado, perguntando se você está bem e pedindo, por favor, para que, quando melhorar, você lhe envie uma mensagem por e-mail, blog, twitter ou a próxima tecnologia que substitua tudo isso.

Uma mesma metáfora; quatro autores; quatro estilos próprios.
Em outras colunas será possível falar ainda mais especificamente de cada estilo, dando exemplos práticos baseados em obras de cada um.
Qual dos estilos seria o melhor? Na realidade a resposta disso não importa.
A única pergunta cabível em uma situação desse tipo seria:
Qual desses estilos funciona melhor para você?
>> SEDENTÁRIO & HIPERATIVO – por Raphael Draccon

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: