“ACADEMIA DE VAMPIROS” RUMO AOS CINEMAS

quarta-feira | 30 | junho | 2010

Preger Entertainment comprou os direitos de adaptação para o cinema de Vampire Academy, série de livros escrita por Richelle Mead que no Brasil é publicada pela editora Nova Fronteira com o nome Academia de Vampiros.

A série infanto-juvenil, um best-seller am vários países, lida com o crescimento de seus personagens em meio a aventuras e romances paranormais. Além de vampiros, o elenco traz elementos de fantasia, alquimia e magia.

A personagem principal é Rose Hathaway, uma Dhampir, meio humana e meio vampiro. Ela é a guardiã dos Moroi, uma raça de vampiros mágicos, mas pacífica e mortal. Os Moroi se alimentam de doadores voluntários de sangue, podem se locomover de dia, envelhecer e morrer quase normalmente.

Escondida nas floresta de Montana está a Academia São Vladimir, onde os Moroi e Dhampirs aprendem seus lugares na sociedade. Rose tem que dominar suas habilidades como Dhampir e conseguir a aprovação do Conselho Real como guardiã daPrincesa Lissa. Rose e Lissa são melhores amigas e essa última é a única herdeira de uma das doze famílias reais dos Moroi. Fora da Academia está o maior perigo de todos: os Strigoi, uma raça de vampiros imortais, sedentos de sangue e predadores dos Moroi.
>> HQ MANIACS – por Leandro Damasceno

Anúncios

“CACHALOTE” FAZ APROXIMAÇÃO ENTRE QUADRINHOS E LITERATURA

quarta-feira | 30 | junho | 2010

Uma das mudanças mais sensíveis na adaptação de um romance para os quadrinhos é a perda da profundidade dos personagens. Na troca de linguagem, há a tendência de fixação nas cenas mais relevantes da trama. A imagem tende a suprir ou resumir muitos das descrições ou reflexões feitas pelo narrador.

“Cachalote”, que começou a ser vendido neste fim de mês (Quadrinhos na Cia, 280 págs., R$ 45), navega contra essa corrente. Consegue levar para os quadrinhos justamente o que as adaptações deixam de lado: a minuciosa construção dos personagens, elemento caro à linguagem literária.

O ethos dos protagonistas é formado devagar, ao longo das páginas, muitas delas silenciosas, levando o leitor a inferir por meio da imagem o momento vivido pela pessoa. De tão trabalhada, essa forma de narrar é o que desponta do álbum, mais até do que as histórias em si, criadas pelo escritor Daniel Galera e pelo desenhista Rafael Coutinho.

“Cachalote” conta paralelamente seis histórias ao longo de três capítulos. A que abre e fecha a obra, enigmática, envolve uma senhora idosa. As demais têm homens como protagonistas. Apesar de não se cruzarem, as tramas têm em comum o fato de os personagens lidarem com distintas formas de decadência pessoal. Cada um procura, então, encontrar um rumo para a vida.

O ator chinês beberrão e relapso, acusado do assassinato de um colega. O escultor que vê no cinema uma válvula de escape para o marasmo. O escritor deprimido que mantém uma relação de amizade com a ex-esposa. O funcionário de uma loja de ferragens que se apaixona e tem pudores de fazer com a namorada o mesmo sexo masoquista de antes. O playboy que deixa de viver às custas do dinheiro do tio.

A parceria entre Galera e Coutinho funciona. As imagens falam por si, são autônomas às palavras em vários momentos, fruto do minucioso trabalho do desenhista, que se dedicou à tarefa por dois anos e meio. Coutinho deixa sua marca na obra e dissocia de vez sua imagem profiisional da do pai – é filho do cartunista Laerte. A leitura sugere que ele pensou com cuidado cada um dos quadrinhos das quase 300 páginas, muitos com bons resultados de experimentação narrativa.

A dupla procurou fazer finais abertos a cada um dos seis contos. Isso cria uma sensação de incompletude, uma não-correspondência à expectativa do leitor, que passou páginas e páginas acompanhando a construção e o desenrolar dos personagens. O mesmo vale para a baleia que intitula a obra. Aparece em poucos momentos, mais sugerindo do que articulando sua presença no título.

“Cachalote” teve um primeiro lançamento no sábado passado, em São Paulo, na loja que tem o mesmo nome do álbum e que tem o desenhista como um dos sócios. Os autores farão outros dois lançamentos nesta semana, um no Rio de Janeiro e outro em Porto Alegre (leia serviço no fim da postagem).

O lançamento, enfim, diz a que veio a obra. O eficiente marketing da Companhia das Letras ajudou a construir uma expectativa em torno do álbum, que teve matérias de destaque em mais de um veículo de imprensa e uma prévia na revista “Piauí”. Houve até quem rotulasse o trabalho como o “lançamento do ano”, burburinho que a editora sabiamente soube alimentar. Exagero (até porque estamos apenas no meio do ano).

“Cachalote” tem qualidades, muitas delas em torno do trabalho ímpar de Rafael Coutinho. Mas não é a obra revolucionária que se apregoa. Mesmo a apropriação da forma de narrativa literária já foi vista em outros projetos quadrinísticos.

O que é revolucionário, isso sim, é a proposta da RT Features, empresa que bancou a parceria entre Galera e Coutinho. A proposta é dar a prioridade do projeto à Companhia das Letras. Se aceito, a editora publica e a RT fica com os direitos de adaptação para outras mídias.

A empresa já patrocina outras parcerias de escritores e quadrinhistas, como as de Angélica Freitas e Odyr Bernardi, em “Guadalupe”, e Ronaldo Bressane e Fabio Cobiaco, em “V.I.S.H.N.U.”, para ficar em dois exemplos já noticiados por este blog.

A se pautar por “Cachalote”, o resultado tende a dialogar com um público não leitor de quadrinhos e ajuda a construir um novo mercado para a produção nacional. É algo novo, que pode render bons resultados.
>> BLOG DOS QUADRINHOS – por Paulo Ramos


FERNANDA FURQUIM: A MAIS NOVA COLUNISTA DA REVISTA “VEJA” FALA TUDO SOBRE SÉRIES DE TV

terça-feira | 29 | junho | 2010

Jornalista especializada em séries traz informações, comentários e curiosidades sobre a produção de seriados de todas as épocas.

Clique aqui para acompanhar a jornalista Fernanda Furquim,
ou copie e cole a linha abaixo:
http://veja.abril.com.br/blog/temporadas/
 

Uma Breve Apresentação

Bem vindos à minha nova casa! A partir de hoje passo a escrever para o site da Veja, da Editora Abril, falando do fantástico universo das séries, seriados e minisséries da TV. O foco será dado à TV americana, inglesa, canadense e brasileira, mas, de tempos em tempos, também darei ‘uma olhada’ na produção de outros países.

Quem sou eu? Sou a fã que chegou aos 42 anos de idade dos quais pelo menos 32 foram passados em frente à TV. Não (respondendo a alguns), não foi um desperdício de tempo, pois transformei minha paixão por séries em profissão, a qual eu exerço desde 1995. De fato, não me recordo quando comecei a acompanhar as séries de TV, ou qual foi a primeira que vi. Lembro que minha família ganhou seu primeiro aparelho de TV no dia em que foi ao ar o último capítulo da novela “Mulheres de Areia”, nos anos 70. Mas, muito antes disso, ‘já exercia a função de televizinha’.

Entre 1995 e 1997, publiquei o fanzine TV Land, o qual foi transformado na revista TV Séries. A publicação encerrou em 2001, ano em que publiquei meu primeiro livro, “Sitcom: Definição e História”, pela FCF. Entre 2002 e 2006 me dediquei a outras atividades, retornando com o blog Revista TV Séries o qual foi mantido até ontem, dia 24 de junho de 2010. Seu conteúdo foi transferido para cá, tornando-se um arquivo de pesquisas com mais de 5 mil postagens publicadas entre 2006 e 2010. Em 2008 comecei a ministrar oficinas sobre a história e a evolução das séries de TV americanas; no mesmo ano publiquei meu segundo livro, “As Maravilhosas Mulheres das Séries de TV”, pela Panda Books.

Muitos devem se perguntar o porquê de gostar tanto de séries de TV a ponto de dedicar a maior parte de minha vida ao estudo do formato, à sua história e sua transformação ao longo das décadas. Faço parte da geração que teve a TV como babá eletrônica, e com ela criei um vínculo afetivo, o qual foi sendo moldado e lapidado ao longo dos anos. Já não é qualquer programa que vejo, também não acompanho todas as séries; fiz isso na época em que era possível mas, hoje em dia, com o volume de produções seriadas sendo exibidas na TV, é preciso selecionar. Tem séries que não passo do piloto; de outras, confiro a primeira temporada, se achar a série boa continuo, se não, encerro por aí.

Algumas são boas, outras ruins, algumas maravilhosas, outras sofríveis, mas todas se resumem a uma única estrutura: personagens e roteiros, nessa ordem. As séries são primeiro personagens e depois roteiros, é por isso que existem tantas propostas parecidas, mas igualmente interessantes de se acompanhar. É a forma como o personagem, dentro das características propostas, irá se desenvolver e se relacionar em uma determinada situação. Algumas produções seriadas conseguem colocar desenvolvimento de personagens e de roteiro no mesmo nível; são aquelas que estão acima da média, pois isto é algo difícil de alcançar.

As transformações estéticas e narrativas pelas quais as séries passaram as elevam ao mesmo nível das produções cinematográficas, nos dias atuais. O futuro é promissor, visto que a tendência da TV americana, e mundial, é adotar cada vez mais a co-produção internacional. O resultado irá se refletir na transformação narrativa do formato que terá uma abordagem cultural bem mais rica. Afinal, as séries refletem o retrato cultural de um país em suas respectivas décadas.

Gostaria de aproveitar e agradecer à Veja pelo convite para fazer parte da equipe de colunistas do site. Abrir um espaço fixo dedicado às séries de TV é, em minha opinião, um grande passo para estabelecer um contato importante com um público que não tem idade e que, a cada dia, torna-se maior e mais participativo.

Estarei atualizando diariamente esse blog, trazendo informações, curiosidades e opiniões sobre as séries e seus atores, de todas as décadas. Para conhecer um pouco mais minha linha de trabalho, faça uma pesquisa nas postagens em arquivo em especial na seção Opinião, que se encontra na coluna à direita. O número de postagem por dia é indefinido, sendo que será menor nos finais de semana e feriados, que ninguém é de ferro, muito menos eu!

Então, vamos começar!

Conheça o Novo Elenco de Primeval

O canal inglês ITV divulgou a primeira foto do novo elenco de “Primeval”, série que tinha sido cancelada em junho de 2009, mas que em setembro foi resgatada, graças a uma parceria do canal com a BBC America, Pro7 (canal alemão), Impossible Pictures e a UKTV.

O retorno da série marca a mudança de elenco: da esquerda para a direita temos a volta de Abby ( Hannah Spearritt) e Connor (Andrew-Lee Potts), a entrada do novo líder das operações de campo, Matt (Ciarán McMenamin), o retorno de Becker (Ben Mansfield) e a entrada de Jess ( Ruth Kearney).

Quem não está na foto é Alexander Siddig, de “Star Trek: Deep Space Nine/Jornada nas Estrelas: A Nova Missão”, que entra para o elenco interpretando o cientista Philip Burton.

A série foi resgatada para mais duas temporadas: a quarta, com sete episódios, está agendada para estrear na Inglaterra no dia 11 de janeiro. A quinta, com seis episódios, ainda não tem previsão de estreia.

Agora o Arc é administrado parte pelo governo e parte por uma empresa privada, que envia o cientista Philip Burton (Siddig) para representá-los. Lester teria sido substituído porque o governador perdeu a confiança de que ele seja capaz de comandar as operações. Matt (McMenamun), um soldado e zoologista que guarda um segredo de seu passado, se torna o novo líder de equipe; e Jess (Kearney) comanda as operações no centro de controle do Arc. Ao longo da história, ela deverá se apaixonar por Becker.

“Primeval” narra as aventuras de uma equipe de cinco cientistas que enfrentam uma anomalia do tempo a qual permite que animais pré-históricos e criaturas do futuro invadam a Inglaterra no tempo presente.
>> VEJA – por Fernanda Furquim


“RELAÇÕES DE SANGUE”, DE MARTHA ARGEL: CLÁSSICO DA LITERATURA BRASILEIRA DE VAMPIRO É LANÇADO EM NOVA EDIÇÃO

segunda-feira | 28 | junho | 2010


Maria Clara Baumgarten levava uma vida bem normal, até conhecer a vampira Lucila, cujos olhos castanhos grandes e inocentes enganariam até o mais desconfiado dos humanos, quanto mais a pobre Clarinha.

Um vampiro traz o outro, e logo ela está às voltas com Daniel, um inescrupuloso vampiro de programa. Moreno, alto, bonito e sensual, ele precisa da ajuda das duas para encontrar o assassino em série que está atacando suas “clientes”.

Mas… e se o assassino encontrar Clara primeiro?

Relações de Sangue é um clássico da literatura vampírica brasileira. Publicado originalmente muito antes da recente febre de vampiros, o romance de estreia deMartha Argel ainda é adorado por uma legião de fãs.

Num estilo ágil e bem humorado, Relações de Sangue traz uma história de mistério, suspense e sedução ambientada na São Paulo dos dias de hoje, capaz de prender a atenção do início ao fim.

Com esta nova edição, uma vez mais a Giz Editorial brinda os leitores com a prosa elegante e tão característica de Martha Argel, que já há algum tempo firmou-se como um dos nomes mais importantes da Literatura Fantástica nacional.
>> CRIANDO TRESTÁLIOS – por Cristiano Rosa

E não deixe de acompanhar o blog da autora.


“QUADRINHOS SACANAS” É O PRIMEIRO LANÇAMENTO DA EDITORA PEIXE GRANDE

domingo | 27 | junho | 2010

Quadrinhos Sacanas - Os Herdeiros de Carlos Zéfiro

Nova editora faz sua estreia no próximo mês de julho.

É a Peixe Grande, sob a tutela de Toninho Mendes, responsável pela cultuada editora Circo,que publicou, entre outros sucessos, a revista Chiclete com Banana, com Angeli, Laerte e Glauco, na década de 1980.

O primeiro lançamento da Peixe Grande seráQuadrinhos Sacanas – Os Herdeiros de Carlos Zéfiro, uma caixa com quatro livrinhos trazendo 12 histórias pornográficas desenhadas entre os anos 1950 e 1980 por autores anônimos, publicadas originalmente nos famosos “catecismos”, as revistinhas de sacanagem de outrora.

A intenção é mostrar que a produção das HQs desse gênero foi além do trabalho de Zéfiro. Cada livrinho traz um tema, que envolve viajantes espaciais, noites de núpcias, casais fora dos padrões normais e outros personagens e situações não muito usuais. O preço da caixa será de R$ 69,00.

Quadrinhos Sacanas terá evento de lançamento no dia 5 de julho, das 18h às 23h, na Comix Book Shop, em São Paulo/SP.

Na sequência, a editora lança Maria Erótica e o Clamor do Sexo, livro do jornalista Gonçalo Júnior que dá continuidade ao ótimo A Guerra dos Gibis, cobrindo agora o período de 1964 a 1985, os 21 anos da ditadura militar.

Quadrinhos Sacanas - Os Herdeiros de Carlos Zéfiro

O livro, um calhamaço de 500 páginas, conta a história da censura aos quadrinhos e às revistas de sexo, a partir das publicações das editoras Edrel e Grafipar e da trajetória de seus editores, Minami Keizi e Claudio Seto.

Maria Erótica e o Clamor do Sexo seria publicado originalmente em dois volumes, o que chegou a ser informado por Gonçalo Júnior no Twitter, porém, para evitar que o valor final ficasse muito elevado para o leitor, foi decidido que sairia num livro apenas.

A editora também tem intenção de publicar a antologiaQuadrinhos Sujos #2, com HQs de sacanagem estrangeiras, dando continuidade ao primeiro volume, que foi publicado pela extinta Opera Graphica e encontra-se esgotado.

De acordo com o editor Toninho Mendes, a expectativa é trabalhar muito com recuperação histórica. “A Peixe Grande não é uma editora de quadrinhos, ela também edita quadrinhos. O intuito é o resgate sistemático do que aconteceu na imprensa brasileira, de uma maneira geral, com foco grande na pornografia, no erotismo e na sacanagem”, informou Toninho ao Universo HQ.

E a Peixe Grande não deve parar por aí, prometendo novidades para breve.
>> UNIVERSO HQ – por Marcelo Naranjo

Quadrinhos Sacanas - Os Herdeiros de Carlos Zéfiro
Quadrinhos Sacanas - Os Herdeiros de Carlos Zéfiro

“ELYSIUM” SERÁ O NOME DO NOVO FILME DO DIRETOR DE “DISTRITO 9”

domingo | 27 | junho | 2010

Longa será ficção científica diferente do filme
que tornou diretor conhecido.
Agentes do cineasta negam direção de ‘O Hobbit’,
abandonado por Del Toro

.Cena de ‘Distrito 9’: ficção científica sobre aliens presos
na África foi hit de 2009.

O cineasta Neill Blomkamp, indicado ao prêmio Bafta pela ficção científica “Distrito 9”, fará um novo filme do gênero. O nome, segundo o site /Film, será “Elysium”.

De acordo com a reportagem, Blomkamp descreve o novo filme como “único e muito coerente” com seu trabalho. “Será totalmente diferente de ‘Distrito 9’, mas terá a mesma mistura de gêneros e tom que o marcou”, disse ele.

O site também esclarece que agentes ligados ao cineasta negaram veementemente a ida dele para o set de “O Hobbit”.

“Distrito 9” foi um dos filmes que mais deram o que falar em 2009. Seu enredo aborda uma nave alienígena que enguiça em Joanesburgo, na África do Sul, e tem seus tripulantes presos pelo governo em uma área especial.
que foi abandonado pelo diretor Guillermo Del Toro após atrasos em sua produção.
>> G1, de São Paulo


“O HOBBIT”: PETER JACKSON NEGOCIA DIRIGIR AS DUAS PARTES DO FILME

domingo | 27 | junho | 2010

Depois que o mexicano Guillermo del Toro desistiu da ideia de dirigir as duas partes de “O Hobbit”, Peter Jackson negocia a vaga atualmente, informou a imprensa americana. Jackson, diretor das três partes da saga “O Senhor dos Anéis”, já tinha avisado que não descartava tomar as rédeas também deste projeto.

“Se é o que tenho que fazer para proteger os investimentos da Warner Bros, então obviamente é um ângulo que explorarei”, disse ao jornal neozelandês “Dominion Post”, ao qual declarou que, por enquanto, estão intactas as datas de estreia dos dois filmes, em dezembro de 2012 e no mesmo mês em 2013.

No entanto a MGM e a New Line ainda não deram seu sinal verde para o início das filmagens. No dia 30 de maio, Del Toro anunciou a decisão dando como motivo os constantes atrasos na produção, provocados pelos problemas financeiros da MGM. Os estúdios enfrentam uma situação crítica, com uma dívida de US$ 3,7 bilhões.

As duas partes de “O Hobbit” serão inspiradas no livro homônimo de J. R. R. Tolkien, que precede a saga “O Senhor dos Anéis”, protagonizado por Bilbo Bolseiro, interpretado por Ian Holm nos três primeiro filmes.

Del Toro, que tinha se comprometido a dirigir “O Hobbit” em 2008 e que dedicou dois anos a escrever o roteiro e a preparar a filmagem, disse que os cenários, o figurino, a animação e as sequências de batalhas estão completamente preparados.
>> YAHOO – EFE