KRYPTONITA, ADAMANTIUM E ETC.: OS ELEMENTOS QUE NUNCA EXISTIRAM

Não existe coisa mais geek do que saber os elementos criados nos filmes e quadrinhos de ficção científica. Aqui podemos citar os exemplos mais comuns como a Kryptonita do bom e velho Superman e todas as suas variações e o Adamantium do baixinho mais invocado do sistema solar.

Ainda que muitos leitores de ficção científica obsoleta sejam induzidos a pensar o contrário, os outros mundos são feitos praticamente dos mesmos elementos que a Terra, embora variem muito as proporções. Por exemplo, o hélio é raro em nosso planeta, mas é o segundo elemento mais abundante no universo e perfaz grande parte dos planetas gasosos e de estrelas como o Sol. A exceção é o promécio: nunca foi encontrado na natureza da Terra, onde só pôde ser sintetizado em reatores nucleares, mas foi detectado em algumas estrelas.

Imaginar um elemento com propriedades arbitrárias, ainda que fisicamente impossíveis, é uma maneira tão conveniente de resolver problemas tecnológicos e de enredo sem esforço, que os autores ainda hoje não desistiram dela.

O primeiro desses elementos fantásticos foi provavelmente a cavorita de H. G. Wells, um elemento capaz de bloquear a gravidade assim como a borracha isola a eletricidade, de maneira a permitir máquinas capazes de levitar até a Lua, em O Primeiro Homem na Lua (1899). Outros famosos elementos fictícios são o eterno pesadelo do Super-Homem, a kryptonita e o adamantium.

O seriado Jornada nas Estrelas é dos que mais abusa desse recurso fácil: aparecem nele o dilítio, que de alguma maneira consegue conter a antimatéria usada nos propulsores de suas naves estelares, o tritânio e o durânio, que dão às mesmas naves uma resistência impossível, e o latinum, curioso elemento líquido, convenientemente impossível de sintetizar, que serve de padrão monetário a esse universo.

Houve um só caso de elemento que, depois de passar muito tempo no limbo das hipóteses e da ficção científica, acabou por ser aceito (mais ou menos) na tabela periódica. Foi o neutrônio, conjeturado em 1926 – antes da descoberta do nêutron – pelo cientista Andreas von Antropoff como sendo o elemento número zero, à cabeça da tabela periódica.

Já em Stargate possuímos uma infinidade de elementos que não existem, o primeiro deles é do que é feito o próprio Stargate, o Naquadah, esse Naquadah depois vira matéria para qualquer bomba de destruição em massa. Mais tarde eles descobrem uma variação do Naquadah, o Naquadriah (puta imaginação hein!?) que é utilizado nos sistemas de hyperdrive e também nos escudos de energia dos inimigos. Tem o Tretonim que provê uma saúde perfeita para aqueles que tem um simbionte, permitindo aos Jaffas ficarem sem o simbionte e sobreviverem. E tem também o Trinium que é um metal mais leve, mas mais duro que o aço.

E você se lembra de outros elementos que não existem?
>> NOS GEEKS – por Gui Loureiro

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: