“VAMPIRO AMERICANO” CHEGA AO BRASIL E DEVOLVE O MITO DO VAMPIRO ÀS NARRATIVAS DE HORROR

ENFIM, UM MONSTRO
Vampiros sempre estiveram na pauta da cultura pop, mas poucos se arriscaram a remodelar suas características românticas e repetidamente utilizadas. É por isso que Vampiro Americano, de Scott Snyder e desenhada pelo brasileiro Rafael Albuquerque (revista mensal Vertigo, 100 págs, R$ 10) é uma das obras mais interessantes das várias que apareceram nos últimos tempos tendo sanguessugas como mote.

» Leia um preview de Vampiro Americano

Publicada nos EUA pela Vertigo e pela revista de mesmo nome aqui no Brasil, a série consegue dosar uma narrativa bem construída de referências históricas e trama complexa com cenas cheias de violência e impacto. Skinner Sweet é o primeiro vampiro a ser criado nos EUA e a HQ mostra a sua trajetória e todo o sangue derramado por onde passou.

Escrita em parte pelo celebrado Stephen King, a série nem precisou da fama do escritor para se firmar como uma das melhores HQs lançadas pelo mercado norte-americano este ano. Quem se destacou mesmo foi Rafael. Ele chamou atenção no mercado internacional e mostrou ecletismo no seu estilo.

Os vampiros daqui não conservam a humanidade que alguns outros produtos recentes mostram, vide True Blood e Crepúsculo. Se aproximam mais das lendas europeias que os mostram como monstros. Sweet é feroz e tem os poderes derivados do sol. Além dele, a HQ foca atenção na vida de Pearl Jones, uma jovem atriz figurante na Hollywood dos anos 1920.

Até a sexta edição, Stephen King assina uma história curta que funciona mais como um painel para ambientar o leitor no horror da história de vampiros na primeira metade do século passado. American Vampire fez muito sucesso nos EUA na época do seu lançamento e críticos a tomam como o melhor da linha Vertigo. A Panini vem dando destaque para o título em sua revista mensal com histórias do selo adulto da DC Comics.
>> REVISTA O GRITO! – por Paulo Floro

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: