“DUNA”: EXCEPCIONAL CLÁSSICO DA FICÇÃO CIENTÍFICA É RELANÇADO PELA ALEPH

Para quem ainda não leu, essa é a oportunidade de conhecer um dos maiores e mais importantes clássicos da ficção científica.Duna, de Frank Herbert (1920-1986), estava esgotado em sua edição original dos anos 1980, assim como as cinco sequências que contam a saga de Paul Atreides, posteriormente conhecido como Muad’Dib.

Publicado em 1965, Duna (Editora Aleph, 544 páginas
R$ 56,00) ganhou os prêmios Hugo e Nebula em 1966, dois dos mais importantes do gênero, e alavancou a carreira de Frank Herbert. Apesar de ter publicado sua primeira história de ficção científica em 1952, com o conto “Looking for Something?”, na revista Startling Stories, nos anos seguintes ele produziu menos de 20 contos e o thriller de fc The Dragon on the Sea (1956).

Mas foi Duna que provocou o verdadeiro impacto na literatura do gênero. Na verdade, antes de 1965, quando o livro foi publicado; Dunacomeçou a ser apresentado nas páginas da revista Analog – a antiga Astounding Science Fiction, uma das mais importantes da história do gênero, atuando desde 1930 – entre 1963 e 64, com o título “Dune World”. Ainda em 1965, uma segunda parte foi publicada na revista com o título “The Prophet of Dune”. E ambas foram combinadas para a publicação do livro em 1965.

O livro cobre praticamente todos os temas centrais e principais da ficção científica, de política a viagens espaciais cobrindo imensas distâncias, de religião a engenharia genética, de poderes psíquicos a seres alienígenas. Malcolm J. Edwards, em The Science Fiction Encyclopedia, escreveu que, possivelmente, Duna apresenta o ambiente alienígena já criado por um escritor de ficção científica. E ele deve estar correto.

A complexidade da trama e a profundidade e atenção com que cada um dos elementos da história foram tratados levou críticos a destacarem um ou outro aspecto como sendo o central do livro. Para uns, a religião é obviamente o centro de tudo, especialmente da forma como o enredo se desenvolve nos livros seguintes; para outros, parece claro que a principal preocupação de Frank Herbert foi com a questão ecológica, sem a qual também não haveria história.

Na verdade, o livro abre com uma dedicatória de Herbert: “Às pessoas cuja labuta ultrapassa as ideias e invade o domínio do ‘real’: aos ecólogos das terras áridas, onde quer que estejam, não importa a época, fica dedicada esta tentativa de profecia, com humildade e admiração”.

Para dizer o mínimo, trata-se de um livro indispensável para quem gosta de ficção científica

A História
A trama envolve o Imperador, a casa do duque Leto, a casa do barão Harkonnen, as Bene Gesserit e várias casas menores, além dosfremen, habitantes originais do planeta Arrakis, também conhecido como Duna. Todos esses elementos, mais as companhias encarregadas de mineração da especiaria conhecida como mélange, natural de Duna, e empresas encarregadas dos transportes pelo universo, entram numa complexo choque político e pelo poder que se estende a todo o universo conhecido.
A especiaria é capaz de provocar estados de espírito alterados, visões do futuro, visões de outros universos, além de ser fundamental por fornecer aos pilotos das frotas espaciais a capacidade de deslocarem as naves pelo espaço, atravessando o que, em alguns textos da ficção científica, ficou conhecido como hiperespaço, fazendo uma travessia imediata de um ponto a outro.

Duna é o centro de produção da mélange e, portanto, o centro dos interesses de todos, e é para lá que o duque Leto Atreides é enviado com seu filho Paul e sua esposa Jessica, para tomarem conta da produção, substituindo os Harkonnen.

Para aumentar e controlar essa produção é fundamental contar com o apoio dos fremen, moradores locais cujo estilo de vida lembra em muito o dos árabes do deserto, na Terra, inclusive em suas crenças religiosas. E será exatamente Paul, o jovem filho do duque, o responsável por uma alteração significativa nessa sociedade, com repercussão em todas as criaturas do universo.

Outros elementos
Uma das grandes invenções de Herbert para o livro são os vermes do deserto, seres gigantescos, alguns com milhas de comprimento, e igualmente pontos centrais no desenvolvimento da trama, tanto no aspecto ecológico quanto no religioso. Nesse último caso, surgem ainda referências claras à jihad dos muçulmanos, ainda mais explícitas nos livros seguintes, e ao surgimento de um profeta que irá liderar o povo fremen para uma nova época de existência.

A engenharia genética também é uma questão central, de imensa complexidade, às vezes com planos que se estendem por milhares de anos, outras com seres sendo literalmente construídos com propriedades específicas para servir aos seus senhores.

O tema ainda surgiria fortemente em outros livros do autor – como no caso da quadrilogia Destination: Void (1966), O Incidente Jesus (The Jesus Incident, 1979), O Efeito Lázaro (The Lazarus Effects, 1983) e O Fator de Ascensão (The Ascension Factor, 1988); ou ainda nos excelentes Os Olhos de Heisenberg (The Eyes of Heisenberg, 1966) e A Praga Branca (The White Plague, 1982).

O sistema político elaborado em Duna é, provavelmente, o mais complexo – e às vezes complicado mesmo – da ficção científica, e o elemento essencial para a elaboração dos planos dentro de planos que marcaram a obra – ou talvez fosse melhor dizer conspirações dentro de conspirações. Herbert conseguiu estruturar muito bem cada um dos grupos envolvidos, definindo muito bem o que são e o que pretendem, para assim compor um ambiente sufocante em que ninguém pode ser considerado plenamente confiável, uma vez que pode ser parte da estratégia de uma das partes.

A questão ecológica – hoje no centro das discussões e preocupações mundiais, e tornada comum por meio de centenas de programas dos canais de TV – não era tão falada nos anos 1960, quando as pessoas estavam mais preocupadas se o mundo iria ou não ser destruído pelo conflito entre as grandes potências.

Um dos méritos de Duna é mostrar que, no que diz respeito ao equilíbrio ecológico, quase nunca as coisas são como aparentam à primeira vista. O desértico planeta Duna – cuja única utilidade para os que o vêem como fonte de riqueza e poder é a produção da mélange – surge como um organismo muito mais complexo e delicado, com imensas possibilidades além das óbvias, o que abre inúmeras discussões, válidas ainda hoje.

Para não falar da relação possível entre os nativos de um planeta com os humanos (ou não humanos) que chegam a ele, outro ponto de especial interesse para a ficção científica e base para alguns clássicos imperdíveis.
>> VIMANA – por Gilberto Schoereder


Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: