“E. T.”: KATY PERRY EM HISTÓRIA DE AMOR EXTRATERRESTRE

Você se lembra do enredo da animação “Wall-E”, dirigida por Andrew Stanton e vencedora do Oscar na categoria em 2009? A cantora norte-americana Katy Perry vive situação semelhante no videoclipe “E.T.”, lançado no Youtube, na quinta-feira (31/3), dirigido pela fotógrafa e cineasta canadense Floria Sigismondi e que conta com participação do rapper Kanye West e com um modelo de bunda de fora. A canção é o quarto single do álbum “Teenage Dream”, de 2010.

O videoclipe começa com travelling aéreo sobre planeta desabitado e cheio de lixo, idêntico ao início de “Wall-E” e ao som de clássico do jazz. Em seguida, a câmera penetra no coração de um robô abandonado como sucata e, no interior dele, aparece uma nave, dentro da qual está Kanye West flutuando como se estivesse em gravidade zero. Em seguida, um extraterrestre com alguns tecidos roxos flutua pelo espaço até se transformar na cantora. Após várias imagens da natureza em movimento, ela chega ao tal planeta, encontra o robô e consegue trazê-lo de volta à vida após um beijo.

Diante de um roteiro tão comum e previsível, o que mais chama atenção nessa história de amor interplanetária é o extremo cuidado com as cores das imagens, que variam do azul escuro e preto, com alguns detalhes brancos, ao rosa e roxo. Katy Perry também aparece muito mais discreta do que nos videoclipes anteriores. Com três diferentes figurinos, o que se destaca são os longos vestidos e tecidos flutuantes. Uma curiosidade do videoclipe é que ele marca o lançamento de óculos da marca Vogue Eyewear, que aparecem no rosto da artista.

O longo processo para se transformar em extraterrestre exigiu muito esforço de Katy Perry, como declarou à MTV norte-americana: “Foi muito difícil para mim. Esse clipe realmente foi uma coisa de paciência. Mas, sabe, é como quando você faz um filme. Às vezes tem que ficar muito velha, ou ser transformada em um animal ou monstro – esse processo foi mais ou menos assim”.

Floria Sigismondi é diretora do filme “The Runaways – Garotas do Rock”, de 2010, mas ficou mais conhecida em função de vários videoclipes premiados. Entre eles, estão “Beautiful People” (1997), do Marilyn Manson; “Little Wonder” (1998), do David Bowie; e “Fighter” (2004), da Christina Aguilera. Aliás, essa realizadora parece estar se especializando em produções em que imperam a maquiagem carregada.

“E.T.” não prima por grande criatividade narrativa. Muito pelo contrário. Floria Sigismondi não realizou nada mais do que algo envolvente, agradável e bem cuidado técnica e artisticamente. Porém, isso pode ser considerado algo extremamente positivo num momento em que parece dominar certa bizarrice intergaláctica, em meio a muitos efeitos especiais, tanto no videoclipe, como no cinema de longa-metragem.
>> YAHOO – por Guilherme Bryan

Anúncios

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: